Juiz de Colatina inicia Projeto Lar de Paz para combater a violência doméstica e orientar agressores

Typography

Nesta sexta-feira (21), teve início na Comarca de Colatina, Região Noroeste do Estado, o Projeto Lar de Paz, um trabalho multidisciplinar com homens agressores de mulheres que visa, durante sete semanas, dar orientações jurídicas e psicológicas, conscientizando-os da importância de se evitar a violência doméstica. O projeto é pioneiro no Espírito Santo e já é adotado em outros Tribunais de Justiça do país.

O projeto é uma iniciativa do Juiz Marcelo Feres Bressan, titular da 3ª Vara Criminal de Colatina, e da Juíza Paula Moscon, titular da 4ª Vara Criminal da Comarca, e conta com o auxílio voluntário de psicólogos, Instituições Religiosas e Assistentes Sociais, além do apoio da Prefeitura do Município.

Durante sete sextas-feiras, o agressor terá auxílio psicológico e jurídico, e também será oferecido o início de tratamento contra drogas e o alcoolismo. Na tarde de hoje, os participantes desse primeiro encontro receberam uma cartilha, idealizada pelo Juiz Marcelo Bressan e editada pela Assessoria de Comunicação do TJES, que trata das Medidas Protetivas de Urgência, as quais esses homens estão submetidos.

O texto, direcionado aos agressores, visa esclarecer os objetivos de uma medida protetiva, que busca proteger as mulheres de novas agressões, e permanece em vigor enquanto persistir a situação de risco. Com essas medidas, o Juiz impõe uma série de limitações ao agressor, que podem variar de acordo com cada caso.

De acordo com o Juiz Marcelo Bressan, a abertura do projeto foi bem satisfatória, superando suas expectativas. “A participação dos supostos agressores foi grande, com questionamentos, depoimentos e exemplos de vida. Fizemos esclarecimentos quanto à temática da violência de gênero”, destacou o magistrado.

O Juiz da 3ª Vara Criminal de Colatina afirmou ainda que é importante mudar esse ciclo de agressões, que geralmente acontecem dentro da própria casa da vítima. “Creio que será um bom caminho para contribuir com o enfretamento à violência doméstica e para que, efetivamente, as vidas de todos os envolvidos melhorem”, concluiu o Dr. Marcelo Bressan.

Fonte: TJES